Quinta do Gradil assinala 15 anos de vinhos

No vinho é assim: o sucesso assinala-se um ano depois, quando o copo encosta nos lábios e se prova finalmente a colheita do ano anterior, depois de devidamente repousada e acariciada por estágios em inox ou em madeira. Na Quinta do Gradil, a colheita de 2015 tem uma dimensão ainda mais simbólica. Afinal assinalam-se 15 anos desde que os solos desta propriedade acolheram as novas vinhas que hoje devolvem vinhos que são já responsáveis por uma atenção crescente pela região de Lisboa.

Mas comecemos pelo princípio. A Quinta do Gradil foi propriedade do Marquês de Pombal, tendo permanecido propriedade da família do Conde de Oeiras de 1760 até ao século passado. Em 1999, Luís Vieira adquiriu a propriedade com o sonho de contribuir para reforçar ainda mais a qualidade dos vinhos portugueses, bem como afirmar Lisboa, uma região até então pouco reconhecida na produção de néctares.

O trabalho de replantação de vinhas foi uma perfeita combinação entre o romantismo do sonho de Luís Vieira e o contributo da ciência, liderado por ume equipa de enologia e viticultura que trata aquelas vinhas como se de filhos se tratassem.

 

O Prémio “Empresa do Ano”

2016 é o ano em que se abrem as garrafas da colheita de 2015, a campanha que assinala os 15 anos das novas vinhas. E é também o ano em que esta empresa da região de Lisboa recebe o mais importante galardão atribuído pelo setor: Empresa do Ano. Atribuído pela Revista de Vinhos, a distinção ganha relevância não só pela juventude da casa, mas pelo reconhecimento de uma produtora de vinhos da região de Lisboa. A este, a Quinta do Gradil soma outras centenas de prémios conquistados nos já tradicionais concursos de vinho, que se realizam nos principais destinos de exportação e que continuam a destacar a juventude dos seus vinhos e a excelente relação qualidade-preço. 

Mas se o sonho comanda a vida, celebrar as conquistas alimenta novos sonhos. Com esta máxima em mente, a Quinta do Gradil decidiu assinalar esta data com um evento carregado de simbolismo, que, como se de uma máquina do tempo se tratasse, fez uma viagem entre 1760 e os próximos anos. As vinhas, o palácio setecentista e a capela voltaram a ver figuras pombalinas a percorrer o seu espaço, com as tradicionais vestes e transportadas em charretes.

“Não podemos nunca saber para onde vamos se nos esquecermos de onde vimos”, confidenciava Luís Vieira, que justificava este louvor ao passado, devidamente equilibrado pelos investimentos que marcam hoje a Quinta do Gradil. Entre as figuras do passado misturavam-se personalidades do presente. Várias personalidades, como críticos, destacadas individualidades do IVV, ViniPortugal, Câmara de Lisboa e do Cadaval, entre outros amigos.

O momento serviu para o lançamento de um documentário https://www.facebook.com/quintadogradill/?fref=ts. Assinado pelo realizador André Braz, o filme é um momento de intimidade entre a Quinta do Gradil e quem dela quiser saber. Narrado por quem mais vive do e para o projeto, o seu proprietário, a equipa de enologia e viticultura, o realizador procurou sobretudo captar o ambiente, os sons, os cheiros de uma das mais antigas, senão a mais antiga, herdade do concelho do Cadaval, em pleno sopé poente da Serra de Montejunto.

 

Os Vinhos

O evento foi também a oportunidade para degustar, em primeira mão, o monovarietal Tannat 2014. Para ser consumido idealmente neste próximo Outono, este tinto de casta rara encontrou nos solos da Quinta do Gradil a oportunidade para exibir o seu esplendor, também após 12 meses de estágio em barricas de carvalho francês.

Pelas mesas desfilaram ainda os novos brancos da casa. Da vindima de 2015 surgem nesta altura três referências perfeitas para beber nesta estação de tempo quente. Dois monovarietais: um Chardonnay branco, que surge este ano pela segunda vez no portfólio, e um Viosinho. Depois, o já clássico Sauvignon Blanc&Arinto, que faz parte da gama permanente dos bivarietais da Quinta do Gradil

A correspondência entre o que se bebe e o que se come foi obra do recente chef da casa - Daniel Sequeira, que lidera os destinos do restaurante da Quinta do Gradil e que interpretou uma ementa que busca inspiração na região e em produtos produzidos na Quinta, como o mel, a pera rocha ou a incontornável aguardente.